Autosurf

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Pesquisadores brasileiros pedem cautela sobre cura da aids e afirmam que reportagem da Superinteressante não traz grandes novidades.

Pesquisadores brasileiros pedem cautela sobre cura da aids e afirmam que reportagem da Superinteressante não traz grandes novidades.



Pesquisadores ouvidos pela Agência de Notícias da Aids disseram que a reportagem “Enfim, a Cura da Aids”, da revista Superinteressante, não está atualizada e reforçam que as melhores estratégias na luta contra o HIV continuam sendo a prevenção e a adesão ao tratamento. Na edição de agosto, a revista aborda técnicas como a expulsão do vírus, tratamentos ultraprecoces, transplantes e modificações genéticas que conseguiram “curar” alguns pacientes.

Para o infectologista e professor da Universidade Federal de São Paulo Esper Kallás, a reportagem é sensacionalista. “A cura nunca esteve tão próxima, segundo a reportagem, mas isso ainda não é uma realidade”.

De acordo com o texto, no último ano, vários grupos de pesquisadores comprovaram que é possível expulsar o HIV de seus esconderijos e jogá-los de volta na corrente sanguínea – de onde ele poderia ser eliminado, livrando completamente o vírus do organismo.

Essa possibilidade começou a se desenhar em 2006, quando o governo norte-americano autorizou a venda do medicamento Vorinostat. Esse remédio foi criado para tratar o linfoma cutâneo de células T, um câncer no sistema imunológico, mas recentemente passou a ser usado em pesquisas para despertar as células T adormecidas de portadores do HIV. Com isso, as cópias do vírus escondidas acordaram e ficaram vulneráveis à ação dos antirretrovirais.

No entanto, Kallás contesta esta informação. “Esse medicamento não pode ser usado na cura da aids. Essa droga já foi testada em estudos experimentais em macacos e apresentou uma grande toxidade”, explicou.

Outra técnica abordada na reportagem é o transplante. O norte-americano Timothy Ray Brown recebeu, em 2009, a medula de uma mulher que não produzia a proteína CCR5. E sem essa proteína, o vírus HIV não conseguiu entrar nas células, fazendo com que o paciente pudesse parar de tomar os medicamentos antirretrovirais sem que a doença se desenvolvesse. Brown, conhecido como “Paciente de Berlim”, foi considerado o primeiro a se curar da aids.

Em março deste ano, pesquisadores do Instituto Pasteur, de Paris, apresentaram a cura funcional de 14 pacientes franceses portadores do HIV. Ou seja, ainda carregam o vírus, mas não desenvolvem aids, mesmo tendo parado de tomar o coquetel antirretroviral. Esses pacientes começaram a tomar os remédios antiaids no máximo 70 dias depois da infecção, o que limitou a entrada do vírus nos esconderijos, permitindo que depois de alguns anos em tratamento antirretroviral, o coquetel fosse interrompido e o vírus deixasse de se replicar.

Kallás ressalta que essa informação não é nova. Segundo o pesquisador, “muitos estudos já provaram que quanto mais cedo se inicia o tratamento contra o HIV, mais o organismo é preservado”.

Gean Gorinchteyn, do Instituto de Infectologia Emilio Ribas de São Paulo, considera que temos que ser cautelosos quando o assunto é a cura da aids. “Os estudos indicam algumas possibilidades em situações especiais, mas não é algo que podemos estender para todas as pessoas infectadas pelo vírus HIV”, disse.

O infectologista reforça que a prevenção e a adesão ao tratamento antirretroviral ainda são as melhores armas na luta contra o HIV. “Para conseguir bons resultados, o paciente soropositivo precisa não só de medicações adequadas, mas do uso regular delas, assim o tratamento será um sucesso”.

O ativista e editor do Boletim Vacinas Anti HIV/Aids, Jorge Beloqui, também não vê grandes novidades na reportagem. “Essas técnicas já foram abordadas e discutidas em nosso boletim”, comentou.

Na edição de março de 2012, o Boletim Vacinas Anti HIV/Aids apresenta como possíveis abordagens para erradicação da doença o inicio precoce do tratamento antirretroviral, antes que os reservatórios virais estejam plenamente estabelecidos; a intensificação da terapia antirretroviral para parar a replicação do HIV residual; a ativação das células T em repouso para purgar ou expulsar vírus latentes; manter a latência para silenciar permanentemente o DNA proviral; a eliminação ou a incapacitação das células T em repouso infectadas pelo HIV; proteger células infectadas contra a entrada viral e fortalecer a resposta do sistema imunitário ao HIV.

Já para o infectologista José Valdez Madruga, do Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids de São Paulo (CRT), a reportagem é boa, mas a cura não chegou ainda. “É importante manter a expectativa de cura, pois há cinco anos não tínhamos perspectivas nesse sentido. Hoje, alguns estudos já apresentaram bons resultados, mas existe apenas a cura funcional quando o paciente é tratado precocemente, e não a cura real”, comentou.

Dr. Madruga conta que depois da publicação de Superinteressante vários pacientes já o procuraram para dizer que querem tomar o Vorinostat, mas ele tem explicado que, apesar dos estudos, esse remédio não é capaz de curar a aids.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Adcione aqui seu comentário o que você acha da mensagem.